sexta-feira, 15 de outubro de 2010

A fé é filha do medo - Max Lucado


A fé sempre foi a filha do medo. O medo impulsionou Pedro para fora do barco. Ele já tinha navegado entre aquelas ondas. Sabia do que essas tormentas eram capazes. Tinha ouvido outras histórias, visto naufrágios. Ele sabia que a tempestade poderia matar e, então, sentiu vontade de sair dali.

Durante toda a noite ele quis escapar dali. Por nove horas, foi arrastado com o barco, lutou com os remos e buscou esperança em cada sombra que aparecia no horizonte. Estava ensopado até a alma e cansado do lamento de morte trazido pelo vento.

Olhe para os olhos de Pedro e você não conseguirá enxergar um homem de convicção. Olhe para seus olhos, agora, e veja o medo; um temor sufocante e trepidante de um homem que não tinha saída.
Mas desse medo nasceria um ato de fé, pois a fé é a filha do medo.

“O temor do Senhor é o princípio da sabedoria”, escreveu o sábio.

Se Pedro tivesse visto Jesus caminhar sobre as águas durante um dia calmo e pacífico, você acha que ele teria andado até Jesus? Nem eu.

Se caso o mar estivesse calmo, sem ondas, como se fosse um tapete, e a viagem agradável, você acha que Pedro teria implorado para que Jesus o tirasse dali e o fizesse passear sobre as ondas? Duvido.

Mas, dê a alguém uma opção de escolha entre a morte certa e uma oportunidade maluca, e verá que a oportunidade sempre será a escolhida. Grandes atos de fé raramente nasceram de um planejamento ou de um cálculo frio.

Não foi a lógica que fez Moisés erguer seu cajado nas margens do Mar Vermelho. Não foi uma pesquisa médica que convenceu Naamã a mergulhar sete vezes no rio. Não foi o bom senso que fez Paulo abandonar a Lei e abraçar a graça. E não foi um comitê secreto que orou numa pequena sala em Jerusalém para libertar Pedro da prisão. Foi um grupo de crentes temerosos, desesperados, que se sentiram pressionados contra a parede. Foi uma igreja sem opções. Uma congregação de joão-ninguéns pedindo por ajuda.

E mais do que nunca eles foram fortes.
No princípio de um ato de fé, há sempre uma semente de medo.

Temor da morte, do fracasso, da solidão, de uma vida vã, de fracassar em conhecer a Deus. A fé começa quando você vê Deus na montanha, mas você mesmo está no vale e sabe que está muito fraco para subir. Consegue enxergar o que está precisando… o que tem… e descobre que o que tem não é suficiente para realizar qualquer coisa. Chegamos até Cristo em horas de grande necessidade.    Abandonamos o barco das boas obras. Descobrimos, assim como Moisés, que a força humana não pode nos salvar. Olhamos para Deus desesperadamente. Percebemos, assim como Paulo, que todas as boas obras do mundo são insignificantes quando colocadas diante do único Perfeito. Descobrimos, como Pedro, que transpor o buraco entre nós e Jesus é uma façanha muito grande para o nosso pequenino pé. Então, imploramos por ajuda. Ouvimos sua voz e damos o passo com medo, esperando que nossa pouca fé seja suficiente.

A fé não nasce ao redor de uma mesa de negociações, onde barganhamos nossos dons em troca da bondade de Deus. A fé não é uma recompensa  dedicada para quem aprendeu melhor a lição. Não é um prêmio dado ao mais disciplinado. Não é um título herdado pelo mais religioso.

A fé é um mergulho desesperado para fora do barco do esforço humano, que está naufragando; é uma oração pedindo que Deus esteja lá para nos resgatar de dentro da água. Paulo escreveu sobre esse tipo de fé na carta aos Efésios: “Pois é pela graça de Deus que vocês foram salvos, por meio da fé que vocês têm. Vocês não salvaram a si mesmos. A salvação vem de Deus como um dom, e não como o resultado das obras que alguém fez, para que assim ninguém se orgulhe”.

Paulo é bem claro. A força suprema da salvação é a graça de Deus. Não nossas obras, nem nossos talentos, muito menos nossos sentimentos e nossa força. A salvação é a presença repentina e calma de Deus em meio ao mar agitado de nossas vidas.

Ouvimos sua voz e, então, damos o passo.
Nós, assim como Paulo, estamos cientes de duas coisas: somos grandes pecadores e precisamos de um grande Salvador.

Nós, assim como Pedro, estamos cientes de dois fatos: estamos afundando enquanto Deus está se levantando. E assim, começamos a escalar, deixamos para trás o Titanic da autocorreção e nos firmamos no caminho sólido da graça de Deus.

E, surpreendentemente, somos capazes de caminhar sobre as águas. A morte está desarmada, os fracassos são perdoáveis, a vida tem um propósito real. E Deus não está apenas à nossa vista, mas ao nosso alcance.

Max Lucado, em “UM DIA NA VIDA DE JESUS”

***
Fonte: Salmo 37

1 comentários:

Wiliam Santos disse...

Bah achei muito tri o poust, achei muito tri o blog, uma benção mesmo.Parabéns que Deus continue usando este epaço para sua honra e glória...e que todos aqueles não cristãos que entrarem neste blog sejam tocados e libertos em nome de Jesus!uhu Paz do Senhor!!!!

Postar um comentário